TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo: estar no controle

O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é um transtorno psicológico que consiste em obsessões e compulsões e seu diagnóstico só pode ser feito por um psicólogo ou profissional da área.

Embora as causas do Transtorno Obsessivo-Compulsivo não sejam totalmente compreendidas, fatores genéticos e sociais estão envolvidos. Dessa forma, pessoas que têm pais ou irmãos com TOC possuem maior predisposição ao transtorno.

Transtorno obsessivo compulsivo é um tipo de transtorno de ansiedade que é caracterizado quando a pessoa sofre de repetidas obsessões e/ou compulsões que afetam as funções sociais, educacionais ou profissionais do próprio indivíduo, seja pelo tempo dispendido com os sintomas ou pela aflição ou medo da própria pessoa.

Uma obsessão é definida como um pensamento ou impulso recorrente que causa ansiedade elevada, ainda que a pessoa tenha consciência que esses pensamentos e impulsos sejam irracionais.

Uma compulsão é um comportamento, ou ritual, que a pessoa com transtorno obsessivo compulsivo exerce repetidamente, seja devido às próprias obsessões ou devido a rígidas regras que a própria pessoa estabelece.

Parte superior do formulário

Parte inferior do formulário

Por exemplo, uma obsessão por ter as mãos demasiadamente limpas pode resultar numa compulsão por lavar as mãos a todo momento.

Outras compulsões comuns no transtorno obsessivo compulsivo são organização minuciosa e repetida de objetos, checar múltiplas vezes se fechou a porta ou se pegou seu celular, contar/calcular geometricamente as coisas ao seu redor por múltiplas vezes etc. – importante não confundir hábitos com compulsões.

Quando os sintomas começarem a interferirem no seu dia a dia, seja no trabalho, na vida social ou nos seus relacionamentos, então talvez seja hora para considerar uma avaliação e/ou tratamento.

Se você tem Transtorno obsessivo compulsivo (TOC) o seu tratamento dependerá do grau dos seus sintomas. O impacto do TOC na vida da pessoa dependerá:

  • Intensidade do comportamento;
  • Tempo dispendido com o comportamento compulsivo;
  • Frequência que ocorre.

Obsessões e compulsões

Obsessões são pensamentos, imagens ou impulsos involuntários que ocorrem repetidas vezes em sua mente mesmo que você não as queira, infelizmente não pode detê-las.

Já as compulsões são comportamentos ou rituais que você se sente forçado a repetir. Normalmente, compulsões são realizadas na tentativa de fazer com que as obsessões desapareçam.

Por exemplo, se você tem medo de contaminação, pode desenvolver rituais de limpeza elaborados. Porém, a sensação de alívio é apenas passageira.

De fato, os pensamentos obsessivos geralmente voltam mais fortes. E os rituais e comportamentos compulsivos acabam causando ansiedade, à medida que se tornam mais exigentes e demorados.

A maioria das pessoas com TOC se enquadra em uma das seguintes categorias:

  • Imaculados: têm extremo medo de contaminação. Geralmente possuem compulsões de limpeza ou lavagem das mãos.
  • Prevenidos:  checam repetitivamente coisas como forno desligado e porta trancada, as quais associam a dano ou perigo.
  • Desconfiados: temem que, se tudo não for perfeito ou feito corretamente, algo terrível aconteça, ou que serão punidos.
  • Medidores: são obcecados por ordem e simetria. Podem apresentar superstições sobre certos números, cores ou arranjos.
  • Acumuladores: temem que algo de ruim aconteça se jogarem alguma coisa fora. Assim, compulsivamente, acumulam coisas que não precisam ou usam.

A necessidade de controle

Parte superior do formulário

Parte inferior do formulário

Nós humanos possuímos uma necessidade natural de estar no controle da situação, seja ela qual for.  Pois, a sensação de controle nos traz a tranquilidade de que sabemos o que virá a seguir. 

No entanto, tão certa quanto a nossa necessidade de controle, é a imprevisibilidade da vida. Podemos tomar todas as precauções possíveis, sermos cautelosos e vigilantes, mas nada disso impede que o imprevisível nos visite. 

As pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo acham mais difícil aceitar as realidades da inesperadas que podem ocorrem no cotidiano, pois, o controle está na raiz desse transtorno.

Em outras palavras, o indivíduo com TOC, acredita que seguindo determinados padrões de comportamento, por mais complexos ou irracionais que sejam, conseguirá controlar o futuro.

E é aqui que um profissional da Psicologia se faz fundamental. Uma vez que, um psicólogo está apto para acolher esse indivíduo, tratá-lo apropriadamente, sempre visando devolver a qualidade de vida comprometida pelo TOC.

Dicas para lidar com o Transtorno Obsessivo Compulsivo

  1. Observe e identifique os pensamentos angustiantes e obsessivos sem julgá-los. Não discuta com esses pensamentos e nem tente encontrar uma explicação racional para eles.
  2. Seja gentil com a sua mente, procure reorientar seu pensamento se concentrando no agora.
  3. Junte-se a um grupo de apoio. Estender a mão a outras pessoas que enfrentam desafios semelhantes pode fornecer apoio e ajudá-lo a lidar com os desafios.
  4. Explore formas saudáveis de canalizar sua energia, como hobbies e atividades recreativas.
  5. Faça atividade física, técnicas de relaxamento, meditação e até mesmo a yoga, por exemplo. A prática regular da yoga reduzi a ansiedade e preocupação, juntamente com os pensamentos obsessivos trazidos pelo TOC.
  6. Não abandone suas atividades regulares. Vá ao trabalho, passe tempo com a família e amigos. É importante não deixar que o TOC domine a sua vida.
  7. Terapia: se você continuar lutando e não melhorar, procure ajuda profissional.

Aconselhamento e terapia, com medicamentos adequados, quando necessário, podem ser altamente eficazes em todas as formas de transtorno obsessivo-compulsivo.

Tratamento para TOC

O tratamento mais comum para o TOC inclui:

Psicoterapia, para mudar a forma que seu pensamento se comporta e reduzir a ansiedade – geralmente se indica a Terapia Comportamental ou Terapia Cognitivo Comportamental: alguns psicólogos do consultório atuam nessa abordagem.

Medicação, a fim de controlar os sintomas: prescrito por um médico psiquiatra (se você não tem ou não conhece nenhum psiquiatra, peça ajuda ao seu psicólogo para lhe orientar a encontrar algum).

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

plugins premium WordPress